A harmonização facial conquistou espaço no mundo da estética e se tornou o caminho mais procurado por quem busca aprimorar sua beleza. Por meio de procedimentos não cirúrgicos, as pessoas podem reforçar, definir ou conceder mais equilíbrio aos contornos do rosto.

Por mais popular que ela se tornou, muitas dúvidas ainda rondam o tema. Desde a diferença entre preenchedores e toxina butolínica, até o conceito dos procedimentos em si. Dessa forma, separamos três dos mais utilizados atualmente para explicar no que eles consistem.

Bioestimulação (Rennova Diamond)

Os bioestimuladores agem no estímulo da produção de colágeno no organismo, resultando em uma aplicação mais natural e progressiva. Hoje, a hidroxiapatita de cálcio (Rennova Diamond) e o ácido polilático são as substâncias mais utilizados no procedimento.

Sua atuação consiste em provocar uma leve reação inflamatória na camada mais profunda da pele, ativando as células responsáveis pela produção de colágeno (chamadas fibroblastos), desencadeando, assim, a produção de novas fibras de sustentação da pele. O processo de aplicação é minimamente invasivo e se assemelha ao do ácido hialurônico.

Preenchimento (linha Rennova)

Os preenchedores corrigem a perda de volume da pele. A diferença está no resultado imediato do procedimento. Eles são utilizados para o tratamento do envelhecimento, entregando resultados imediatos com a correção de volume perdido, ao mesmo tempo que proporciona o estímulo de colágeno, de forma mais lenta e delicada.

Fios de sustentação PDO (Mint Lift Fine e Mint Lift Easy)

A sigla PDO vem de polidioxanona, uma substância sintética e biodegradável que, atualmente, tem sido bastante utilizada como material para fios de sustentação facial. O método é mais uma técnica de combate à flacidez do rosto.

Os fios são absorvidos pelo organismo com o tempo. Durante esse período, eles estimulam a produção tecidual de colágeno e proporcionam redução das rugas finas de forma quase imediata. E, assim como os outros procedimentos, a inserção dos fios de sustentação também é realizada por meio minimamente invasivo.

Imagem: Enio Giacchetto